[ editar artigo]

A linha tênue entre ganhar a vida e perder a vida

A linha tênue entre ganhar a vida e perder a vida

Atualmente, temos a oportunidade de usar variadas tecnologias tanto para lazer quanto para o nosso crescimento profissional, temos a oportunidade de ter uma vida com certos “luxos”, que não tínhamos quando éramos crianças, temos oportunidade de empregos que nossos pais não tiveram, pelo menos da maior parte da população do Brasil.

Contudo, essa constante busca do crescimento profissional, essa busca em ganhar a vida, está nos afastando de realmente viver ela. E ate que ponto vale realmente à pena?

Em Curitiba uma escola precisou proibir a entrada de celulares na sala de aula, até ai tudo bem, alunos devem prestar atenção na aula, o problema é que a escola era do primário e foi proibido o uso de celulares aos pais e não aos alunos. Pois uma vez na semana a escola proporcionava o momento dos pais irem à escola brincarem com seus filhos e terem um momento de entretenimento entre pais e filhos, mas ao invés de terem um momento impar com os filhos, os pais saiam constantemente da sala para atender o celular para falarem de trabalho, e retornavam horas depois.

Notando isso, a escola fez uma pesquisa com as crianças para entenderem como que era a relação dos pais com o celular em casa, e descobriram que em casa era da mesma maneira, e que a criança sentia falta da atenção por estarem sendo substituídas pelo trabalho. Sendo assim decidiram proibir a entrada de celular, e o resultado foi ótimo, tanto da conscientização dos pais, quanto com os laços criados com o convívio com os filhos.

A culpa não é dos pais, não fazem isso por que querem, mas sim porque muitos já tiveram uma infância difícil financeiramente, privadas de certos luxos, e não querem que seus filhos passem pela mesma situação, e esse pensamento faz com que as pessoas dediquem horas e mais horas ao trabalho, e menos horas para realmente viver. 

Por conseqüência, disso as pessoas acabam convivendo com um sentimento interno de culpa, tentando compensar essa ausência de uma forma errada, as vezes ate mesmo de forma material, mesmo que involuntariamente, com presentes caros fora de época, e falta de imposição de limites.

Estamos deixando de conviver com nossos pais e pessoas que temos afeto, para garantir o nosso futuro, estamos deixando de ver os filhos crescerem para garantir um futuro seguro financeiramente para eles, deixamos de viajar, de sair, de aproveitar um filme em casa, para garantir um futuro. Basicamente, estamos deixando de viver o presente que já temos, para garantir um futuro ainda inexistente.

Então, pense bem se esta valendo a pena, a troca que você esta fazendo. Não me refiro apenas ao convívio familiar ou de amizade, refiro ao convívio com nos mesmos, vivemos no século do qual a ansiedade e a depressão impera, por causa de estarmos sob constante pressão, pense, a sua saúde mental é menos importante do que a conquista de bens materiais? Reflita.

Não estou dizendo e nem aconselhando não focar na carreira, você deve sim focar na carreira e ter educação financeira para atingir a independência financeira e para isso existe o orçamento domestico, o acompanhamento do planejamento orçamentário de forma correta possibilita à pessoa a otimizar seu tempo com finanças.

Mas deixe para trabalhar e dar o seu melhor para o trabalho no horário de trabalho, no momento que você estiver em casa dedique seu tempo para viver o momento, e de o seu melhor nisso também. O equilíbrio é a base de tudo.

Comunidade Empreendedora
Karoline Almeida
Karoline Almeida Seguir

Graduada em gestão financeira na Esic Business & Marketing School. Consultora financeira, palestrante, empreendedora, mentora do programa Bom Negócio do Vale do Pinhão, Advisor do Jr Archievement

Ler matéria completa
Indicados para você