[ editar artigo]

O mercado tradicional de trabalho não é para você, leia e entenda o porquê

O mercado tradicional de trabalho não é para você, leia e entenda o porquê

Um emprego em uma grande multinacional de carteira assinada, salário fixo, estabilidade e um belo plano de carreira rumo à gerência depois de apenas 15 anos de trabalho. O sonho de toda a geração baby boomers, mas e você caro leitor? Acredita que o mercado de trabalho tradicional é para ti? Faremos algumas perguntas para ajudar e elucidar o porque não é, e porquê você deveria tentar ao menos uma vez na vida empreender. Pergunte-se com cautela e responda honestamente:

 

1. Sente que seu chefe sabe menos do que você, e mesmo assim te cobra coisas absurdas?

2. Que poderia fazer um negócio de forma diferente, mas ainda não sabe como começar?

3. Sente que perdeu a chance de usar diversas ideias brilhantes e que poderia estar rico, mas não está?

4. Que seu horário de trabalho é maçante ou curto demais para a demanda de trabalho, porém não quer se dedicar mais porque te pagam o suficiente para seu esforço intelectual?

 

Se você disse sim para a metade dessas perguntas continue lendo. Acordar cedo, trabalhar até um certo horário, depois ir para casa descansar. Rotina de muitos, porém não funciona assim para todos. Algumas pessoas preferem trabalhar em casa, para ter a liberdade de fazer seus horários, às vezes isso implica em não dormir por uma ou duas noites com o intuito de terminar uma etapa do trabalho. Mas também permite que você tire aquela folga em um quinta-feira chuvosa sem ter que pedir ao seu chefe, afinal o chefe é você. Como é a sua rotina de trabalho? Você estaria disposto a abrir mão de muitas horas de sono para se dedicar ao projeto da sua vida? Os bons empreendedores não só estão dispostos a sacrificar boas horas de sono, como fazem de suas gotas de suor o segredo para o sucesso. Você sabe o que é empreender?

Em artigos sobre os pilares dos conceitos de empreendedorismo modernos muito se fala sobre criatividade, inovação e pioneirismo. Por outro lado, nos primórdios do conceito em 1945, Joseph Schumpeter utilizou a palavra empreendedorismo, em sua teoria da Destruição Criativa, para descrever um processo que só aconteceria através de pessoas versáteis, com habilidades técnicas para produzir, que possuem capacidade para organizar recursos financeiros, operações internas e realizar vendas. O fato é: abrir seu próprio negócio requer muita paciência para as falhas que aparecerão até dar certo e um pouco de conhecimento em cada área. Não é preciso ser expert, mas é preciso ter noções básicas sobre os assuntos que sua empresa pretende gerenciar para conseguir orientar seus funcionários e não ser só mais um chefe “mala sem alça”.

Por onde começar? Você sente que poderia fazer um negócio de forma diferente, que daria certo a longo prazo, mas ainda não sabe como começar. Sente que perdeu várias oportunidades de ficar rico porque não colocou aquela ideia genial, que outro alguém está usando hoje em dia em prática. Ora, apenas pensar em algo e não tirar do papel nunca levou ninguém a nada. Mas, pode onde começar? Comece determinando bem seu nicho de mercado: Quem será seu público-alvo? O que eles querem? O que você oferecerá? Por que sua oferta é mais interessante que as outras do mercado? Qual seu diferencial? Quais os riscos do mercado? Pesquise bastante antes para só então tirar sua ideia de papel.

Um exemplo de fuga do mercado tradicional seria criar a sensação de sinestesia. Não basta encantar seu cliente pela vitrine ou sons, já pensou em mexer com todos os sentidos dele ao mesmo tempo? A Unity SPA & Aroma, por exemplo trabalha com marketing olfativo, elaborando fragrância exclusivas desenvolvidas de forma personalizada para cada cliente. O marketing olfativo é um recurso utilizado por marcas bem-sucedidas como forma de materializar sua personalidade em uma experiência sensorial, despertando a curiosidade e criando uma memória afetiva nos clientes. O serviço é recomendado para lojas e comércio; hotéis, pousadas e clinicas além de ambientes corporativos.

Nossa última dica: Aprenda com os erros alheios. Todos sempre têm um bom conselho para oferecer quando já passaram por situações parecidas com a sua. Com os empreendedores não é diferente. Saber que o empreendedor ao lado também sofre com os mesmos desafios pode estimular a troca de boas práticas. Para as organizações de apoio ao empreendedor, é possível dar mais foco para ações que ataquem os principais desafios do empreendedorismo, o que aumenta o alcance desses programas. Sabemos dessa necessidade de aprendizado, por isso acreditamos que o Programa de Mentoria é o melhor atalho entre você e o sucesso. Siga o exemplo da Unity, faça parte da nossa Comunidade Empreendedora: http://projetojovemempresario.com.br/plans.

 

Comunidade Empreendedora
Ler matéria completa
Indicados para você