[ editar artigo]

Você sabe identificar os Stakeholders do seu negócio?

Você sabe identificar os Stakeholders do seu negócio?

Stakeholders, são pessoas e organizações, como clientes, patrocinadores, organizações executoras e o público, que estejam ativamente envolvidas no negócio ou cujos interesses possam ser afetados de forma positiva ou negativa pela execução ou término de uma atividade. 

A identificação começa com a análise de partes interessadas que é uma técnica de coleta e análise sistemática de informações quantitativas e qualitativas para determinar os interesses que devem ser considerados durante todo o negócio.

Ela identifica os interesses, as expectativas e a influência das partes interessadas e determina seu relacionamento com a finalidade do negócio, como por exemplo:

  • Gestores da empresa;
  • Funcionários;
  • Fornecedores;
  • Clientes;
  • Sindicatos;
  • Comunidade.

É verdade que cada stakeholder tem grau diferente de influência em uma empresa. Por isso, há a necessidade de saber quem são os stakeholders de um projeto, especialmente para alinhar expectativas e saber como lidar com cada um.

Stakeholders identificados, mas e agora?

Agora é muito importante utilizar as técnicas de negociação para conduzir de forma positiva o alinhamento das ideias e, por consequência, o sucesso do projeto. Por exemplo, os stakeholders-chave são aqueles impactados diretamente pelo projeto ou têm alto grau de influência – positiva ou negativa-- sobre a iniciativa. Podemos dizer há dois tipos de stakeholders: o primário e o secundário.

Não pensem que apenas os acionistas ou investidores de uma iniciativa estão nesta categoria principal.

Também entram como stakeholders primários quem exerce influência direta sobre a empresa ou projeto dela, como:

- Colaboradores;

- Fornecedores;

- Clientes;

- Concorrentes;

- Investidores;

- Proprietários.

Já os Stakeholders secundários são classificados como aqueles que não estão diretamente ligados às atividades econômicas da empresa, mas têm a capacidade de mobilizar a opinião pública, como por exemplo:

- Governo;

- Imprensa;

- Grupos ambientalistas;

- Analistas financeiros;

- Instituições financeiras;

- Comunidades;

- ONGs.

Mas por exemplo, se o projeto é a construção do uma usina, a comunidade afetada e os órgãos ambientais, que podem vetar uma licença, podem ser considerados como essas peças-chave.

Faça uma análise dos ambientes interno e externo colocando-se no lugar de cada um desses grupos e identifique os pontos de interesse que poderão se cruzar gerando divergências e conflitos. É possível que, durante o processo, descubra novos stakeholders que não foram mencionados nesse post. Mas, o intuito é esse mesmo. Os stakeholders devem variar conforme o segmento de mercado em que a empresa atua.

Para garantir uma ampla identificação e listagem das partes interessadas, deve-se solicitar a opinião e o conhecimento de grupos ou pessoas que tenham treinamento ou conhecimento especializado na área ou disciplina em questão, tais como:

• Alta administração;

• Outras unidades dentro da organização;

• Principais partes interessadas identificadas;

• Grupos e consultores do setor.

Mantenha-os por perto, sempre!

Cultivar um relacionamento com esses grupos não é um hábito comum das empresas brasileiras, pelo simples fato de a maioria dos gestores ainda não compreenderem que os interesses da empresa são diferentes de cada um desses grupos. A partir do momento que a empresa considerar o ponto de vista deles, poderá se beneficiar das relações, detectar antecipadamente os sinais de um conflito que está para surgir e criar soluções para problemas que ainda nem vieram a tona.

A interação com os stakeholders deve ser encarada pelas empresas como uma oportunidade de desenvolver uma inteligência competitiva e funcionar como uma importante ferramenta de gestão e planejamento estratégico, pois quando falamos em stakeholders, estamos tratando de questões delicadas que envolvem diferentes interesses entre diversas partes em um torno de um mesmo objetivo.

A reputação da empresa depende de uma política de comunicação para lidar com esses intervenientes em um relacionamento muitas vezes conturbado. 

Comunidade Empreendedora
Jean Alex Marcondes Maraschin
Jean Alex Marcondes Maraschin Seguir

Bacharel em Ciência da Computação, especialista em Gerenciamento de Projetos - FGV, criador de Conteúdo para a Comunidade Empreendedora e CEO da 1° Acadêmia de Programação, jogos e robótica para crianças e adolescentes.

Ler matéria completa
Indicados para você